Páginas

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Entrevista exclusiva com Ronaldo Gasparian

Por Aprendiz Coelhocratas

Ronaldo Gasparian foi a terceira demissão da temporada. Convencido que está nesta vida para melhorar sempre, ele conta, nesta entrevista, que as pessoas levadas à sala de reunião eram, de fato, as que mereciam estar lá: "Levar o Guilherme e o Lucas era uma obrigação pelas confusões que aprontaram com a cenografia e com os pagamentos, respectivamente.", ele diz.

"Não tem porque lamentar a demissão, o não eu já tinha, se não tivesse tentado é que ficaria com essa dúvida pro resto da vida.", ele afirma, dizendo que está feliz e tranquilo. 


Ronaldo Gasparian, até então o participante mais carismático e elogiado pelos membros de nosso grupo, nos concedeu esta entrevista exclusiva! Comentou se participaria de um segundo retorno, se conciliaria sua carreira de Dj com a de empresário e ainda comentou alguns pontos sobre sua liderança e sobre sua participação!

Confira!


(Ariel Zampieri, Jennefer Rocha e Julio Silveira) Ronaldo, você considera que fez uma boa escolha de equipe? Qual foi sua estratégia na escolha do time? Se tivesse a chance de voltar no tempo, quem seriam os escolhidos para a sua equipe? Se arrependeu ou se decepcionou com alguém? Se sim, quem?

(Ronaldo Gasparian) Quando eu escolho alguém para trabalhar comigo, prefiro pessoas de fácil convívio. Esses foram os moldes da equipe que eu escolhi. Tirando o Lucas e a Maytê, que têm um perfil um pouco mais agressivo e são mais jovens, os outros da equipe são muito tranquilos. É que eu não tive a opção, mas eu queria muito ter escolhido o Solano, porque eu tinha que alternar entre um homem e uma mulher. Mas o Solano é um cara sensacional de convivência, que eu trabalharia muito bem com ele!


(Nathan Casarino) Ronaldo Gasparian, você acha que levar o Guilherme para a segunda parte da sala foi uma boa escolha, visto que você mesmo disse, no depoimento final, que está torcendo por ele e que ele tem um perfil verdadeiro? No lugar dele não teria sido melhor colocar a Maytê por exemplo, que tem se mostrado infantil e fraca em todas as provas?

(Ronaldo Gasparian) Levar o Guilherme e o Lucas era uma obrigação pelas confusões que aprontaram com a cenografia e com os pagamentos, respectivamente. além disso tinha a história da famosa caixa que sumiu que até hoje não se sabe quem largou no cliente. Se eu pudesse, levando em conta o rendimento de cada um na prova, teria levado a equipe inteira de volta pra sala de reunião.

(Lucas Lattari) Ronaldo Gasparian, lembro de uma tarefa do AP1 em que você liderou uma equipe na administração de um restaurante e venceu com méritos. Tive a impressão que sua liderança naquela ocasião foi um pouco autoritária (palavras de um aprendiz da época e da impressão passada pela edição). No entanto, sua demissão na edição atual ocorreu com uma liderança democrática, dando a entender que prefere trabalhar assim. Você mudou sua forma de liderar ao longo desses anos pela experiência ou foi uma impressão errada daquela edição do AP1? Na sua opinião, para vencer o Aprendiz é preciso ser um líder mais "mão de ferro"?

(Ronaldo Gasparian) Eu mudei muito minha forma de liderança, aprendi que ser autoritário demais não é bom pra formar boas equipes de trabalho. Naquela época eu realmente pensava diferente, sempre fui muito centralizador. O que acontece é que ser democrático só funciona em equipes de confiança, que a gente conhece muito. Meu erro foi achar que todo mundo queria ganhar aquela prova e não o programa. Cada um fez o que achava que serviria de salvação na sala de reunião e esqueceu da prova. Eu continuo com a mesma opinião, quem deveria ter saído era a Mariana, que reclamou que não teve feedback durante a prova na sala de reunião, mas nunca levantou isso DURANTE a prova. Ela foi, na minha visão a que teve o menor rendimento na conversão de visitantes pra academia. Ainda prefiro trabalhar com os que erraram mas fazem, do que os omissos. 


(Rodrigo Colucci) Ronaldo Gasparian, eu percebi você até que bem conformado com a sua demissão. Quais são seus projetos daqui para frente?

(Ronaldo Gasparian) Estou feliz, tranquilo, voltei para a minha vida, está tudo ótimo. Eu não fui pro Aprendiz pra resolver nada na minha vida, fui para tentar uma nova possibilidade, entrar pela porta da frente na Grey e com um milhão de reais no bolso. Amo a minha vida e meu trabalho atual. Não tem porque lamentar a demissão, o não eu já tinha, se não tivesse tentado é que ficaria com essa dúvida pro resto da vida. 

(Gabyzinha Gaby) Se arrependeu em algum momento de ter voltado? Qual de suas participações foram melhores edição 1 ou 9? Voltaria daqui a 10 anos no Aprendiz novamente se fosse chamado? 

(Ronaldo Gasparian) Estou muito satisfeito de ter participado. Não me arrependi de nada. Acho que não tem como comparar as participações, mas pela posição, a primeira foi bem melhor. Se me chamassem, eu voltaria sim, mas só se me derem um quarto sozinho. Se botarem uns caras mal educados, que colocam a cueca na minha escova de dente, não volto não....rs


(Morien Bendinelli) Ronaldo Gasparian, quais erros de avaliação e comportamento, não somente seus, você enxergou e pretende corrigir, de agora em diante? (Obs: set muito bom, mandou bem, DJ!!)

(Ronaldo Gasparian) Eu estou convencido que estou nessa vida pra melhorar sempre. Se colocar em situações extremas só acelera esse processo. Não deu muito tempo pra analisar com detalhes tudo que vi e senti, as coisas ainda estão muito recentes e não consegui ainda parar para pensar sobre isso. Ainda estou no ritmo do programa, com muitas entrevistas, gravações de TV e botando a vida em dia aqui no meu escritório. Certeza que sempre sobram muitas coisas boas.
Valeu pelo elogio ao set! Tem muitos outros no meu site pra baixar de graça: http://www.ronaldogasparian.com

(Jocafe Castro) Ronaldo, de longe você é um dos participantes mais carismáticos e agradáveis do programa. Do lado de fora você conseguiria manter amizade com todos os participantes desta edição? O que você não tolera para manter uma amizade em ambiente corporativo?

(Ronaldo Gasparian) Opa, obrigado pelo elogio! Eu consigo manter amizade sempre! Não tenho nenhuma vocação pra guardar mágoas e birras, principalmente no trabalho. Eu sou um cara otimista e consigo ver o lado positivo de todo mundo e é com esse lado que acabo me relacionando. A única coisa que não tolero é falta de respeito, o resto todo passa batido. Não tenho nada contra nenhum participante, todos, dentro da competição, foram extremamente respeitosos comigo.

(Aderson Bezerra) Ronaldo, participar desta edição do aprendiz, profissionalmente, foi positiva pra você em que sentido? Você deixaria sua profissão de DJ para ser um executivo ou tentaria conciliar as 2 profissões?

(Ronaldo Gasparian) O Roberto me perguntou a mesma coisa na casa dele e eu disse que continuaria tocando como DJ, talvez em menor ritmo. Não consigo imaginar a minha vida longe das pistas. Além disso, trabalhar aos sábados a noite é perfeitamente possível de conciliar com o trabalho de escritório de segunda a sexta. Profissionalmente ainda é muito cedo pra perceber se a participação teve reflexo no meu trabalho.

(Kelvyn Holanda) Ronaldo, se pudesse formar uma equipe com 6 pessoas para trabalhar contigo, quem selecionarias do Aprendiz 1 e do Aprendiz - O Retorno?

(Ronaldo Gasparian) Vocês adoram essas listas né? rs
Não tem gente fraca no Aprendiz, qualquer um que chegou até ali tem um grande talento. Pensando rapidamente, a minha equipe teria a Vivi, Denis, Braga, Karina, Karine e Solano.


(Luiz Gustavo Cristino) Ronaldo, a pergunta que não quer calar: por que, afinal, você não levou Maytê para a segunda parte da sala? Há uma preocupação dos participantes com o fato de ela ter sido uma das maiores queridinhas de Roberto Justus entre esse elenco que retornou, ou isso nunca entra em questão na hora de um líder tomar essa decisão?

(Ronaldo Gasparian) Eu não levei a Maytê porque, mesmo com uma execução desastrosa, ela foi a pessoa que mais contribuiu com ideias durante o planejamento. Se eu não tivesse sido demitido, eu não daria mais nada pra ela planejar nem negociar, porque ela realmente não se sai bem nisso, mas lembre-se que era a primeira vez na vida que eu estava trabalhando com as meninas da equipe. Em uma prova com duração curta, como foi essa, não tinha nem tempo pra conhecer profundamente cada uma delas, era uma equipe totalmente nova. Cada um tem sua especialidade e o desafio ali é descobrir isso sem ter o tempo necessário para tal. Única coisa que eu sabia era que a Maytê é boa no quiz e pensei nisso na hora da escolha. Não tem essa de queridinha ou preferida pro Roberto. 

Obrigada pela entrevista, Ronaldo!

3 comentários:

Ronaldo Gasparian disse...

Valeu galera! Adorei participar!
Sou fã do blog, continuem o ótimo trabalho pra quem curte o Aprendiz.
Abraços a todos!

Rafaella de Oliveira disse...

Obrigada pela participação, Ronaldo! =)

Danton disse...

Ronaldo,

Meus parabéns pela postura. É bom ver alguém com esse tipo de pensamento e atitude. Muito legal sua atitude de elogiar um companheiro de trabalho.